Culpa

Um homem cego batia-se contra as paredes e corrimões da estação Cidade Universitária, talvez andasse ali pela primeira vez. Forte e resoluto, com seus cerca de quarenta anos, retomava seu caminho e não demonstrava insegurança, parecia prescindir da consideração alheia. Não houve quem lhe desse a atenção devida e lhe dispensasse um braço ou uma palavra. Eu, muito mais por culpa pela sua solitária epopeia … Continuar lendo Culpa