O sorriso

Ontem, depois de defender a minha tese de doutorado, saiu comigo à rua um sorriso.

Há tempos eu não tinha esta companhia, já nem me lembrava quando foi que senti os músculos da face relaxados assim. Estava estranho e era preciso registrá-lo.

Fiz um autorretrato em frente ao elevador, atrapalhando uma turista, que tentava fotografar o veículo lisboeta, antes de ele subir pela Calçada da Glória.

O meu sorriso era mais importante do que a ansiedade desta senhora. Um sorriso raro e transparente como o meu merecia o registro urgente. Sorriso uraniano, colado ao nodo norte e à lua, no céu.

Urano em Touro, já tão perto do meu Sol, revolvia-me na apatia lamacenta em que me encontrava, transportando-me de volta ao meu caminho. Abrupto e gentil, como se eu fosse um filhote de gato teimoso.

Ressuscitado o meu mestre interior, eu sorria. Pelas ruas de Lisboa, sozinho, euforicamente satisfeito, eu sorria.

Sem saber se o sorriso duraria por mais um minuto que fosse, achei melhor tirar rapidamente um autorretrato. O elevador da Glória queria abraçar outra vez esse sorriso há tanto tempo perdido. Que se danasse a sofreguidão banal da turista impaciente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.