EM CASA #02

Oi, gente amiga!

“A falha na barba”, extraído do meu livro, “Um grifo-pedrês”, faz parte da série de poemas dançantes, EM CASA. Esta experiência de executar os videopoemas em frente às câmeras é um desafio em dois sentidos.

Primeiro, ela me força a iniciar o trabalho de conseguir me apresentar em espaços de arte e de música e, com isto, iniciar a minha carreira musical.

Além disto, ela representa o que ainda me é super complicado: soltar-me perante os olhos do público. Deixar vir para fora o “showman”, o músico, o poeta, há tanto tempo aprisionados dentro de mim.

Uma coisa puxa a outra. Quanto mais desenvolto, mais próximo do palco. E vice versa. Sei que estou à altura desta tarefa.

Venha dançar comigo e chame mais gente para vir também!

*

Composição, produção musical e vídeo: Murilo Guimarães

A Falha na Barba

“Das muitas estradas passadas,
nenhuma é tão funda e tão larga
quanto esta linha expressiva,
visível ao lado da pálpebra.

Nenhum dos gritos que eu soltava,
criança lactente de cara rachada,
foi tão alto quanto a atual gargalhada,
que extravasa da memória interdita.

Nenhuma paisagem é tão colorida
quanto esta que agora a minha retina avista.

Vejo como era o meu rosto antes de eu nascer.
Aos três dias de vida, a mesma cara,
quanto mais sorria ou falava, mais eu a amava.

Quanto mudou a minha cara,
pelas cidades, pelas vias esquisitas,
pelas avenidas e pelas entradas,
nenhuma delas tão funda ou tão larga,
quanto a minha sobrancelha esgarçada,
ou aquela falha na barba.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.