Histeria

O poema, “Histeria”, bem como a música, vieram-me de repente, no dia 25 de Dezembro.

Estava eu refletindo sobre uma característica pessoal marcante, a ingenuidade, quando o verso “atinge-me em cheio a covardia da manada” brotou e eu resolvi segui-lo.

Este poema fala sobre algo muito fundo e incômodo. Por isto, o vídeo traz a minha cara fechada, o meu ar sonolento e o meu gesto pesado.

Convido-o/a a lê-lo e ouvi-lo e a me dizer se a ingenuidade é algo que também o/a faz sofrer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.