Coroa

Sob o sol crepuscular da tarde fúcsia,
na Lisboa ribeira, perto da ponte,
onde zumbis de outras eras repercutem
a voz carrasca de reis e de rainhas,
grita a massa faminta e apavorada,
largada a esmo na urbe em chamas.

Clamar a medicina, de que adianta?
Quantas mais almas sucumbidas
na lama sumosa da ganância elitista?

Clamar a medicina, em que resulta,
se sob o sol crepuscular da tarde fúcsia,
na Barra marinha, perto da torre,
numa varanda da vila azulejada,
canta um conde desumano,
a caçoar do choro da gente aflita?

Publicado em Março de 2020

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.