Súplica

Rogo-vos que os acompanheis, Deusa, senhora.
Não há quaisquer outras deidades a guiá-los agora,
pelos prados secos por onde vagam, famélicos.
Nenhum profeta lhes quer anunciar
de bom grado, compassivo e obsequioso,
as desgraças que os esperam
no vale profundo e pantanoso,
escondido pela noite perene e manhosa.

Perdoai-os, Senhora,
de vossas alturas, magnânima, relevai
os gritos atordoantes que estas almas,
anestesiadas por furor e melindre,
soltavam nas manhãs que se queriam mornas.

Ainda que elas tenham sabido, outrora,
que deitariam sementes de pavor e de fúria,
nos peitos dos seus filhos e filhas,
imbuídos de vontade pervertida,
inebriados pelo cantar duma mafarrica criatura,

dai-lhes uma coberta nas noites mais frias,
na montanha gelada para onde partem, absorvidos por uma perversa idolatria.
Imploro-vos que não lhes deixai faltar, suprema Deusa,
um sumo frugal que os faça, vez ou outra,
lembrarem-se da doçura por eles usurpada
das vidas das minhas irmãs e primas,
e da minha própria vida.

Ainda que o tenham feito sagazmente,
a celebrarem, nas tardes cobertas de fumo,
a insidiosa vilania das feras inclementes,
que lhes ditavam a senha para lançarem ao chão
aquelas deterioradas sementes.

Anúncios

Um comentário sobre “Súplica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.