Sinapses

São luzes dentro da cabeça,
ultrapassando membranas,
formando sinapses,
tecendo sonhos.

Toda a vida gira na cachola,
feito barata tonta, que voa
e, não mais que de repente,
em emoção se revela.
Simples e perseverante,
produzida por lampejos.

Um sopro de pensamento
e a latente faísca aflora.

Quantas vezes estoura,
impaciente, a memória
relegada, a acentuar
a insanidade da gente?

A vida, impulso intransigente.
ora entrega sementes na galeria obscura,
ora cinzas na via tortuosa.

Desenhos de neon
na gambiarra pulsante,
numa noite iluminada
na cidade desperta.

Fagulha salta destemida
e, se preciso, repete,
consciente, sua piscadela
de vagalume vivente.

Sem que a morte acarrete
o fim da jornada,
e a estrada fluorescente
torne-se desértica.

Um comentário sobre “Sinapses

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.